Bem-vindo, hoje é dia

WhatsApp  |  E-mail  |  Login  |  Cadastre-se  |  Gerenciar Telas

Controle de Acesso: Medida primordial de Segurança.

Controle de Acesso: Medida primordial de Segurança.

O item segurança é o mais importante quesito e motivação a quem migra para os condomínios.

Portaria Virtual: Mitos e Verdades.

Portaria Virtual: Mitos e Verdades.

 

O teor de uma convenção coletiva de trabalho aplicável a condomínios e que proíbe a implantação ou manutenção de “portaria virtual” reaqueceu discussão jurídica a respeito do papel e dos limites da atuação sindical. Afinal, sindicatos podem proibir em norma coletiva de trabalho que condomínios substituam porteiros tradicionais por serviços de sua escolha ou necessidade?

Segundo recente decisão judicial que vem sendo propagada pelos sindicatos interessados, incluindo-se, curiosamente, o SINDICOND, Sindicato dos Condomínios, com fundamento na proteção contra dispensa arbitrária e na “proteção em face da automação”, previstos na Constituição Federal, a resposta seria sim.

Ocorre que nem sempre uma decisão reflete o entendimento predominante sobre determinado tema. Vivemos no mundo da insegurança jurídica, então, de rigor uma análise criteriosa para se apurar a verdade sobre qualquer fato. Com esse propósito, apresentamos a seguir o que é MITO e o que é VERDADE sobre o assunto.

DO EQUILÍBRIO FINANCEIRO E DA SEGURANÇA

É MITO que os condomínios promovam dispensas arbitrárias com o fim de automatizar processos em prejuízo de porteiros. De um universo de mais de 180 mil condomínios em todo o País os que adotaram portaria remota o fizeram motivados por razões legítimas, como a necessidade de otimizar recursos financeiros e por medidas de segurança, o que representa um direito constitucional dos condomínios, um direito de todos.

É VERDADE que a inadimplência e a segurança estão dentre os principais desafios na gestão condominial e que a implantação de sistemas de tecnologia como portaria remota, portaria virtual ou portaria inteligente, têm contribuído nesse sentido. O próprio Supremo Tribunal Federal, STF, considera que inovações tecnológicas e automação são “conceitos diferentes”. No Mandado de Injunção 618, julgado pela Ministra Carmen Lúcia, em 2014, foi ressaltado que a automação se traduz na substituição do trabalho humano por máquinas e que “a inovação tecnológica está relacionada a mudanças na tecnologia, não havendo necessariamente a substituição do homem por máquina.”

O caso tratado pelo STF envolve queixa de um funcionário de uma instituição financeira dispensado justamente porque o banco necessitava se ajustar ao aumento de competitividade no setor financeiro. Estamos falando de um segmento que fatura bilhões anualmente. O que dizer de um condomínio que sequer empresa é.

DOS EMPREGOS CRIADOS

Eis que identificamos o segundo MITO, que a portaria remota estaria dizimando empregos. Em VERDADE, os novos modelos de serviços têm gerado novas oportunidades de emprego, oportunidades de aprendizado, além de desenvolvimento de novas habilidades, o que é mandatório nos tempos atuais. Muitas empresas do setor de segurança eletrônica têm contratado porteiros para trabalharem em centrais de videomonitoramento, além de outras ofertas de trabalho para atividades pertinentes ao atendimento, ao monitoramento externo, instalações de sistemas, desenvolvimento de softwares, dentre outras funções. Portanto, a portaria remota também gera novos empregos o que evidência ilegal reserva de mercado.

DA OFENSA A PRINCÍPIOS DA CONSTITUIÇÃO

Outro MITO se refere ao poder dos sindicatos de determinarem o que os condomínios podem ou não fazer. Na citada convenção coletiva, aplicável na cidade de Ribeirão Preto, está proibido expressamente a terceirização de mão de obra e a substituição de porteiros e de outras funções por sistemas de portaria remota. Os condomínios que desrespeitarem essas regras ficam sujeitos ao reconhecimento de vínculo de emprego além de multa de sete vezes o piso do trabalhador.

É VERDADE que essas regras ferem os princípios do DIREITO DE PROPRIEDADE, LIVRE INICIATIVA e LIVRE CONCORRÊNCIA, todos previstos na Constituição Federal. Nos termos da Consolidação das Leis do Trabalho, CLT, artigo 611, a finalidade das normas coletivas de trabalho são regular condições de trabalho aplicáveis às categorias representadas. A proibição de contratação de um serviço, por exemplo, invade a liberdade individual dos condomínios, seu direito de administrar a propriedade privada de acordo com seus interesses e necessidades, e vai além. Cria uma barreira para terceiros, para outros segmentos da economia, representados por outros sindicatos, de ofertarem serviços, ferindo assim a LIVRE INICIATIVA e a LIVRE CONCORRÊNCIA, criando verdadeira reserva de mercado.

A contratação de serviços é regulada pelo Código Civil, e as representações sindicais não podem criar demandas artificiais, obrigando a contratação de empregados nem impedindo demissões, estas asseguradas pela CLT, pelo poder diretivo do empregador. Se assim o fosse estaríamos diante da solução para o cenário de desemprego atual no Brasil. Bastaria que os sindicatos das mais variadas categorias determinassem condições semelhantes e em um passe de mágica todos estariam empregados. Infelizmente não é assim.

Os sindicatos podem criar regras trabalhistas aplicáveis caso o condomínio, potencial empregador, deseje contratar e ou manter empregados. O mesmo condomínio pode promover demissões de acordo com suas necessidades para contratar soluções que considere mais adequadas a sua realidade, às suas necessidades e às próprias condições financeiras, o que não fere, de modo algum, os direitos dos trabalhadores, conforme já visto.

Curiosamente, o SINDICOND, entidade que se apresenta como representante dos condomínios, não só firmou cláusulas claramente prejudiciais aos seus representados, como também tem se limitado a propagar decisão que sustenta essa posição. Entretanto, existem diversos precedentes que mostram exatamente o contrário.

DAS DECISÕES JUDICIAIS FAVORÁVEIS

O Tribunal Superior do Trabalho, TST, em ACÓRDÃO publicado no ano de 2017, considerou que cláusulas proibitórias que fixem parâmetro para contratação limitando a parte interessada “implicam em restrição de mercado, atingindo a livre iniciativa empresarial para a consecução de um objetivo considerado regular e lícito, podendo até interferir na própria sobrevivência das empresas prestadoras de serviços”, o que está absolutamente correto.

Quem vai pagar os prejuízos dessas empresas? Quem vai arcar com a folha de pagamento dos condomínios que precisam encontrar soluções alternativas? Quem vai proporcionar maior sensação de segurança para as empresas que confiam nas soluções tecnológicas? Os sindicatos?

Perceba-se que a possibilidade de contratação de recursos tecnológicos não significa que os 180 mil condomínios o farão. Essa decisão derivará da liberdade de escolha dos condomínios, das regras democráticas que determinam seu funcionamento e que atribuem à assembleia condominial soberania, da cultura de determinado condomínio, dentre outras variáveis.

O mesmo TST, em ACÓRDÃO publicado em março de 2018, concluiu que “não há como reconhecer a validade de cláusulas que atingem categorias diversas daquelas representadas pelos Sindicatos convenentes”, complementando que essas cláusulas afastam a possibilidade de terceirização. Aliás, em meados de 2018 o STF decidiu que é lícita a terceirização inclusive da atividade-fim. Nas instâncias inferiores também se identificam diversas decisões nesse sentido.

O Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, TRTSP, Processo nº 1000913-52.2017.5.02.0433, destaca que na própria Constituição Federal está expresso “caber aos sindicatos a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria”, não podendo ir além, criando obstáculos para outras categorias.

O Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, TRT15, que abrange o interior do Estado de São Paulo, na mesma linha, decidiu em diferentes ocasiões que cláusulas restritivas são ilegais. No Processo nº 0010396-32.2018.5.15.0044, ACÓRDÃO publicado em novembro de 2018, foi assinalado que “não apenas limita os poderes administrativos do Condomínio empregador, como também prejudica as empresas que atuam no ramo do monitoramento eletrônico, que sequer foram representadas na negociação coletiva”.

Em caso mais recente, Processo nº 0012253-53.2017.5.15.0043, ACÓRDÃO publicado em fevereiro de 2019, restou cravado que “refoge da autonomia negocial proibir aos Condomínios residenciais a implantação da chamada Portaria Virtual, uma vez que o empregador possui o poder diretivo e o direito de administrar livremente a sua propriedade”.

Para citar apenas mais um precedente do TRT15, Processo nº 0011268-16.2017.5.15.0001, em ACÓRDÃO publicado em outubro de 2018, a conclusão foi que “ao proibir "a substituição de empregados de portaria por centrais terceirizadas de monitoramento de acesso" limita o campo de atuação das empresas prestadoras de monitoramento por portaria virtual, indo de encontro a um dos princípios constitucionais básicos da atividade econômica, que é o da livre concorrência, que encontra amparo no inciso IV do art. 170, o qual prevê a liberdade da iniciativa privada”. A propósito, quando são criadas barreiras para a livre concorrência surgem prejuízos ao consumidor que se vê sem alternativas.

OUTROS VÍCIOS

A convenção coletiva de trabalho em questão apresenta ainda outros VÍCIOS graves como DUPLA PENALIDADE para o mesmo evento, pois além dos sete salários fixados como penalidade existe cláusula que arbitra multa de 10% sobre o salário normativo para quaisquer descumprimentos da convenção, existindo jurisprudência contrária a esta conduta. SEGREGAÇÃO, com condições diferenciadas para empregados que contribuem com a entidade sindical, o que é ilegal e esbarra na ilegal SINDICALIZAÇÃO COMPULSÓRIA. ENQUADRAMENTO, impondo-se condicionantes para eventuais empresas terceirizadas, que não integram a categoria, mas que teriam de aderir ao programa intitulado REDINO, caracterizando ASSOCIAÇÃO COMPULSÓRIA, vedado pela Constituição Federal, além da RESPONSABILIDADE CIVIL do sindicato patronal ao vincular a categoria a situação onerosa, repleta de inconstitucionalidades, e o mais grave, contrariando manifestamente a vontade dos condomínios, como é notório já há algum tempo.

Sobre a DECISÃO propagada pelos sindicatos, é importante ressaltar uma particularidade relevante e que faz toda a diferença. O caso envolve acordo coletivo de trabalho que é como um “contrato” firmado pela empresa – condomínio, no caso -, e sindicato dos empregados. Nesta situação específica, em tese, o condomínio optou por fixar essa regra, possivelmente sem compreender que estava se vinculando a uma condição que extrapola o papel da representação sindical.

O fato é que este precedente não pode servir de paradigma para se concluir pela legalidade das regras da convenção coletiva firmada pelo SINDICOND e por um Sindicato de Ribeirão Preto.

Em CONCLUSÃO, sem sombra de dúvidas a convenção coletiva de trabalho referida é passível de anulação. Vimos amplamente que os sindicatos envolvidos vão além de seu papel, existindo fartos fundamentos para a defesa da própria liberdade de contratar por parte dos condomínios.

É MITO também que exista uma “guerra” entre porteiros e a tecnologia e é VERDADE que os milhares de condomínios existentes no País poderão adotar ou rejeitar as novas soluções de portaria, ou mesmo fixar sistemas híbridos, mantendo simultaneamente porteiros e implantando sistemas de segurança, além das novas ofertas de trabalho para esses profissionais que buscam recolocação.

Está claro, ainda, que o SINDICOND expõe conflito de interesse ao firmar norma que prejudica a categoria que diz representar e ao propagar interesses dos empregados como se fosse o entendimento uníssono e consolidado.

Diante desse cenário, os condomínios prejudicados podem interpelar o SINDICOND sobre as circunstâncias em que se deu tal negociação coletiva, para avaliar a responsabilização civil dos responsáveis. As empresas eventualmente prejudicadas, igualmente, podem buscar regresso em virtude de excesso na conduta dos sindicatos. As entidades que representam os segmentos comprometidos, por sua vez, cabem novas medidas judiciais, para anular essa convenção, sendo certo que a ABESE não medirá esforços para defender o DIREITO DE PROPRIEDADE, DA LIVRE INICIATIVA e da LIVRE CONCORRÊNCIA.

 

Fonte: https://www.abese.org.br/index.php/434-mitos-e-verdades-sobre-a-portaria-remota-2

Manutenções preventivas regulares no Condomínio

Manutenções preventivas regulares no Condomínio

A responsabilidade por monitorar e promover inspeções periódicas é do responsável eleito em assembleia, ou seja, o síndico. Segundo a norma NBR 5674 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), a gestão da manutenção predial pode ser transferida para um profissional ou empresa contratada.

3 Vantagens da Segurança Eletrônica em Condomínios

3 Vantagens da Segurança Eletrônica em Condomínios

A segurança eletrônica é uma forma de garantir mais proteção e tranquilidade para condôminos. Com o vai e vem de pessoas, carros e prestadores de serviço no espaço, as tecnologias podem ser aliadas na hora de monitorar o ambiente.

Incêndio no centro do Rio de Janeiro

Incêndio no centro do Rio de Janeiro

O Corpo de Bombeiros foi acionado no início da noite desta segunda-feira (02/12) para combater um incêndio em um prédio no Centro do Rio. Por volta das 19h15, a corporação informou que a operação de rescaldo foi iniciada no local do incêndio.

Veículos em alagamentos: conheça seus direitos

Veículos em alagamentos: conheça seus direitos

As chuvas fortes e enchentes castigam muitas cidades brasileiras durante o verão. Municípios em estado de alerta ou emergência, pessoas desabrigadas e todo o tipo de perdas e danos patrimoniais

Incêndio em Campinas atinge empresa de reciclagem

Incêndio em Campinas atinge empresa de reciclagem

Um incêndio atingiu uma empresa de reciclagem, no sábado (30/11), no bairro Vila Carminha em Campinas (SP). Segundo informações apuradas pela equipe da EPTV no local, o fogo começou por volta das 10h30. Moradores de um condomínio próximo à empresa se assustaram e registraram a fumaça preta saindo do local.

Como melhorar a segurança do seu condomínio

Como melhorar a segurança do seu condomínio

A qualidade de vida está diretamente atrelada à segurança. O avanço crescente da tecnologia e o seu fácil acesso também acarreta em novas estratégias criminais, que se alternam constantemente e põe o nosso bem-estar em risco. Com isso, surge a alternativa de migrar para os condomínios, que possuem a segurança como grande diferencial.

Programador brasileiro cria algoritmo que reconhece armas de fogo

A ingeligência artificial do algoritimo AllSeenEye reconhece armas de fogo via câmeras de segurança e emite alertas para autoridades e civis

Sinalização Braille para corrimão

Sinalização Braille para corrimão

Sobre a Sinalização Braille para corrimão

Com a Sinalização Braille para corrimão você evitará acidentes e quedas de pessoas com deficiencia visual em escadas. A sinalização deve ser feita no início e no final do corrimão com os seguintes materiais: Anel e Placa indicativa, esta placa deve ser em braile.

Com a Sinalização Braille para corrimão sua empresa facilitará a localização do andar pois poderá contar com uma numeração em braile fixada no corrimão.


Como realizar a Sinalização Braille para corrimão?

Na borda do piso deve iniciar a sinalização visual, sempre em cor que contraste com os acabamentos. Nos corrimãos ela deve estar restrita a projeão lateral. Em corrimão e escadas, a Sinalização Braille para corrimão deve ser sinalizada através de um anel com textura também contrastante com a própria superfície do corrimão, sempre instalado 1 metro antes das extremidades, deve conter também a sinalização em braile para facilitar a comunicação para pessoas com deficiência visual.

A Soluciona Síndico busca colaborar com as leis para acessibilidade nos condomínios e nas empresa, que é a principal lei brasileira de Acessibilidade, com Sinalização Braille para corrimão e sinalização em braile. 

Sinalizar corretamente as escadas conforme as leis e normas técnicas de acessibilidade, permite que pessoas com deficiência visual, pessoas com baixa visão e outras pessoas com necessidades específicas possam circular com autonomia, conforto e segurança pelas escadas.

Para isso é preciso:

  • Instalar Sinalização visual no piso e no espelho de todos os degraus;
  • Instalar piso tátil de alerta antes do início e após o término das escadas;
  • Ter corrimãos contínuos, em ambos os lados e com duas alturas;
  • Instalar placas em Braille nos corrimãos.

As Leis e Normas de Acessibilidade que regulamentam a sinalização das escadas são, em especial:

- Decreto Federal 5.296 de 2004;
- Lei Brasileira da Inclusão 13.146 de 2015;
- NBR 9050 de 2015
- NBR 16.537 de 2016,

Além dos códigos de obras municipais de cada município brasileiro.

Inovar para superar

Inovar para superar

É inegável que na atual situação de insegurança, que assola nosso país, temos que ter profissionais da área da Segurança Privada, muito bem treinados, comprometidos e motivados para exercerem suas missões com excelência.

Câmeras registram grupo suspeito de arrastão em prédio na Vila Mariana (São Paulo)

Câmeras registram grupo suspeito de arrastão em prédio na Vila Mariana (São Paulo)

Criminosos alugaram um dos apartamentos e esperaram pelo melhor momento para invadir as residências vizinhas. Moradores afirmam que eles invadiram sete residências.

Segurança Pública - por Major Jaime

Segurança Pública - por Major Jaime

Como é sabido estamos envolto em uma das piores crises morais e políticas que nosso país já enfrentou. Situação essa que reflete diretamente na segurança pública.

Quatro pessoas morrem após elevador despencar no litoral SP

Quatro pessoas morrem após elevador despencar no litoral SP

Acidente aconteceu na noite desta segunda-feira (30/12) na Rua Guararapes, no bairro da Vila Belmiro em Santos. De acordo com o Corpo de Bombeiros, não havia outros ocupantes na cabine.

Contra Incêndio

Contra Incêndio

Prédios passam a ser multados por falta de segurança contra incêndio

Suspeito invade condomínio de Alto Padrão no Jardim alto das Palmeiras

A Polícia Civil de Campinas divulgou na manhã desta terça-feira (17/12), imagens de um suspeito de invadir duas casas em um condomínio de alto padrão no Jardim Alto das Palmeiras, no último sábado, dia 14. O ladrão estava com um comparsa e entrou no local usando um TAG de uma moradora, furtado no dia anterior. O veículo tem placa clonada.

O crime é investigado pelo 10º Distrito Policial(DP). Em um dos imóveis, os criminosos levaram aproximadamente R$ 115 mil em joias, relógios e bolsas de marcas, inclusive uma caneta de ouro de valor sentimental do dono da casa, presente do avô.

Furto no interior do condomínio. Quem paga?

Furto no interior do condomínio. Quem paga?

Nos últimos anos a procura por condomínios aumentou vertiginosamente.

Informativo

4ª Feira do Síndico

Palestras;
Stand de fornecedores;
Espaço para networking;
Sorteio de brindes;
Muitas novidades...

15 e 16 de Maio de 2020
Stands à venda!!!

Anuncie

Fale Conosco

Escritório
(19) 3029-2533

WhatsApp
(19) 99190-3970

Seg-Sex • 09:00-18:00
atualalarmes.jpg
gte-dorigon.jpg
foxquality.jpg
lumicon.jpg
hidromedi.jpg
irineu-rossi-junior.jpg
david_domingues.jpg
proseg.jpg
securitycom.jpg
quantico-brasil.jpg
lealfitness.jpg
coppiadvogados.jpg
Copyright © 2020 - Soluciona Síndico - Direitos Reservados